sábado, 7 de agosto de 2010

Satantango

Satantango
Sátántangó, 1994
Dirigido por Béla Tarr
Estória de Mihály Vig & Péter Dobai & Barna Mihók
Roteiro de László Krasznahorkai & Béla Tarr (Baseado no livro de László Krasznahorkai)
Com Mihály Vig, Putyi Horváth, László feLugossy, Miklós Székely B., Éva Almássy Albert

Depois de uma madrugada inteira, num filme lento, lento, lento, mas tão lento, que você pode analisar desta maneira: pegue um filme de Terrence Malick e O Assassinato de Jesse James pelo Covarde Robert Ford num liquidificador. O resultado será que até a pá do liquidificador vai se sentir melancólica.

Só que esses dois filmes têm cor. Satantango não têm.

Agora, se já não bastasse a melancolia e o rítimo lento, alie à isso uma duração de 450 minutos (ou se você preferir, sete horas e trinta minutos). O filme se transforma numa experiência mágica, intimista, avassaladora. Claro que para isso você tem que passar por uma prova de fogo dura. Assista o filme com a mente bem expandida.


Satantango
(trad.: "O Tango de Satã") conta a história de uma vila devastada, chuvosa, melancólica, que se transforma ainda mais triste com o preto e branco de Béla Tarr. O cenário é tão desolador que faz parecer que o filme se passa alguns dias depois do apocalípse. Enfim. Com o fim do comunismo o país está de pernas para o ar e os habitantes querem partir com a pouca quantia de dinheiro que sobrou de um esquema que fizeram com Irimiás (Mihaly Vig), um carismático e duro chefe da quinta comunitária onde as personagens vivem. O problema é que quando as personagens vão abandonar a quinta comunitária onde vivem, entretanto o retorno do tal Irimiás, que todos julgavam morto, volta para a quinta, e isso pode provocar consequências semi-catastróficas.

O filme se constrói de uma maneira interessantíssima. Ele é dividido em doze partes:

  1. As Notícias Estão Chegando
  2. Ressurreição
  3. Para Compreender Algo
  4. O Trabalho da Aranha - Parte I
  5. Eles Estão Vindo
  6. O Trabalho da Aranha - Parte II (O Discípulo do Diabo, O Tango de Satã)
  7. A Fala de Irimiás
  8. A Perspectiva da Frente
  9. Indo para o Paraíso? Tendo Pesadelos?
  10. A Perspectiva de Trás
  11. Apenas Problemas e Trabalho
  12. O Ciclo se Fecha
Nas primeiras partes (da primeira a terceira) temos as apresentações das histórias da família da quinta, inclusive do próprio Irimiás (numa fantástica cena dentro de um bar). Nas outras temos uma brilhante demonstração de destreza técnica, podendo lembrar até mesmo filmes como Magnólia (Paul Thomas Anderson - 1999) ou Short-Cuts - Cenas da Vida (Robert Altman - 1990). Todas as histórias vão convergindo para o centro. Um centro de encontros e tragédias. Testemunhamos uma condição extremamente miserável, mas que não é irreal. As personagens são bêbadas, mas bebem por que querem fugir da sua realidade. Elas brigam por um simples pedaço de pão, testemunham tragédias e ficam caladas. Falam por que não tem nada mais para fazer. Justifica o preto e branco.


Béla Tarr sempre dá em seus filmes uma atmosfera onírica, triste e introspectiva. Apesar de Satantango poder ser considerado uma comédia de humor negro, isso está escondido. É uma anti-comédia. Seu estilo minimalista e contemplativo (por isso eu achei semelhante ao Terrence Malick) é a cereja do bolo no filme. Aliás, é o preto e branco que mais causa desespero dentro da produção. Quando eu assisti e as personagens citavam cores -- "Eu vi uma tigela azul cair" -- eu sentia um desespero enorme, pois precisava ver cor. Essa é a magia de Tarr.

As interpretações são todas muito boas. Dentre elas se destaca mais a de Mihály Vig, como o falso profeta, o falso salvador da quinta, Irimiás. A figura mais emblemática do filme. Talvez mais emblemática que esta figura só mesmo a simpática e inocente Erika Bók.

Depois das sete horas de filme, depois de sete horas arrasadoras e introspectivas, você sai de alma lavado (e possivelmente vendo em preto e branco). Uma experiência única na vida de um cinéfilo. Se você aguentar os oito primeiros minutos (basicamente bois andando pela cidade), você aguenta o resto do filme.

Por que o tango de Satã é lento e elegante.

Nota: 5 estrelas em 5

Por Victor Bruno

2 comentários:

Depois de semanas baixando só falta tomar coragem pra assistir.

Assisti essa obra-prima no INDIE Festival deste ano. Passar 7h30 numa sala de cinema foi uma das experiências mais extraordinárias que já vivi. Satantango é maravilhoso, impecável.

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More